FENEI - Federação Nacional de Educação e Investigação IE - Internacional Educação ETUCE - European Trade Union Committee For Education UGT - União Geral dos TrabalhadoresUGC - União Geral de ConsumidoresFESAP - Federação de Sindicados da Administração Pública e de Entidades com Fins Públicos

Sindicato Nacional e Democrático dos Professores

Progressão na Carreira – Listas Definitivas de 2020

encontram-se publicitadas as Listas Definitivas de Graduação Nacional dos Docentes Candidatos às Vagas para a Progressão ao 5.º e 7.º escalões, bem como as Listas de Docentes Retirados das Listas de Progressão ao 5.º e 7.º escalões.

Nos termos do n.º 8 do art.º 5.º da Portaria n.º 29/2018, de 23 de janeiro, das listas definitivas de graduação homologadas pela Diretora-Geral da Administração Escolar cabe recurso hierárquico a interpor no prazo de 5 dias úteis na aplicação eletrónica disponibilizada para o efeito.

Imprimir Email

Recurso Hierárquico, Verbete e Aceitação da Colocação do Concurso Externo

Encontra-se disponível a aplicação que permite ao candidato efetuar a aceitação da colocação do Concurso Externo, das 10:00h do dia 8 de julho até às 18:00h de Portugal continental do dia 14 de julho de 2020.

Pode consultar o verbete definitivo do candidato.

Caso pretenda interpor recurso hierárquico, a aplicação encontra-se disponível das 10:00h do dia 8 de julho até às 18:00h de Portugal continental do dia 14 de julho de 2020.

Imprimir Email

ABERTURA DO ANO LECTIVO 2020/2021 – UM MAR DAS TORMENTAS

Este Ministério da Educação esquece sistematicamente o diálogo e a negociação, designadamente com os sindicatos de docentes, em matérias ligadas às condições de trabalho e, parece não poder haver dúvidas que horários, condições sanitárias das instalações ou, de forma mais ampla, condições de segurança e higiene no trabalho se enquadram naquelas condições.

Para além disto a negociação também seria um ato inteligente, pois ninguém daria melhores contributos para o funcionamento das escolas, com ou sem pandemia, do que os docentes que são quem melhor as conhece.

Na imprevisibilidade dos tempos que correm, seria importante definir cenários antevendo a possível persistência e gravidade da pandemia. Dizer que o ensino é presencial, híbrido ou à distância, corresponde a que cenário e vem acompanhado de que outras medidas? Aparentemente, com exceção da presença dos alunos, nas diversas modalidades e divisão etária, tudo o resto é muito genérico e pouco assertivo. E estranha-se que as medidas de distanciamento social, definidas pela Direção Geral de Saúde, sejam encurtadas, reduzidas, limitadas ou mesmo desapareçam quando se trata da sua aplicação nas escolas. Turmas inteiras numa sala (bem mais de 20 alunos), no dizer do Sr. Ministro, só pode ser mais um lapso.

A ausência de cenários bem tipificados e definidos, designadamente quanto a meios humanos e financeiros, pelo menos três, inviabiliza desde logo a passagem criteriosa do regime presencial para o regime misto e para o regime não presencial. Apesar de parecer nas declarações do ME, é fácil perceber que esses regimes têm necessidades de recursos bem diferenciados uns dos outros. Não pode ser aceite uma avaliação de ânimo leve que, obviamente deve obedecer a regras bem claras e transparentes enquadradas em critérios gerais e não em sensibilidades de cada escola. O mesmo poderemos sublinhar relativamente ao encerramento das escolas.

Também não deve ser aceitável que, num cenário pandémico (local ou nacional) grave com regime não presencial, haja alunos que se mantenham indefinidamente sem internet, sem computador ou ambos.
Estranha-se que sendo do conhecimento público o envelhecimento dos docentes, ninguém coloque a hipótese provável, num cenário pandémico mais agressivo, de vir a haver défice de docentes em alguns grupos.

Ainda ao nível da previsão e vindo a acontecer o regime presencial, não se pode ignorar a ausência de recomendações para evitar as horas de início e fim das actividades letivas coincidentes com as "horas de ponta" de utilização dos transportes públicos, situação hoje abertamente reconhecida como fator potenciador de contágio.

Genericamente as medidas apontadas pecam por falta de enquadramento em termos de quem as define, como e quando são ou não utilizadas, mais parecendo um rosário de medidas conhecidas que desejavelmente servem para tudo.

Para o que não se prevê não se monta remediação, e o que teremos será improviso.

 

João Rios
(secretário-geral - SINDEP)
07/07/2020

Imprimir Email

Tablet

Ser sócio

Uma luta nacional e democrática para o futuro dos professores.

Inscreva-se e juntos seremos mais fortes na luta pela profissão.

Ficha de inscrição

Contacto

Por favor, introduza o seu nome
Por favor, introduza o seu número de telefone
Por favor, introduza o seu e-mail Este e-mail não é válido
Por favor, introduza a sua mensagem

SINDEP

SINDEP

Sobre nós

O SINDEP, Sindicato Nacional e Democrático dos Professores, é um sindicato filiado a nível nacional na UGT e a nível europeu e mundial na Internacional da Educação e desde sempre ligado à defesa dos direitos dos trabalhadores em geral e dos educadores de infância e professores portugueses em particular.

Morada

SINDICATO NACIONAL E DEMOCRÁTICO DOS PROFESSORES
Avenida Almirante Reis, 75, Piso -1D
      1150-012 LISBOA

 218 060 198   Tlm 929 239 465   

 Fax 218 283 317

sindep@zonmail.pt
2.ª a 6.ª, 9h30 às 13h e 14h às 17h30